terça-feira, 14 de janeiro de 2014

DA EXUBERÂNCIA DA TROVA * DIAMANTINO FERREIRA - RJ

Diamantino Ferreira
*
Carinho de sogra

A sogra é bicho travesso,
de mal fingindo carinho:
- Vira a gente pelo avesso
e logo sai de fininho.
*
Dádiva de Amor

Dar amor, se verdadeiro,
seja homem, quer mulher,
é lançar-se por inteiro
nos braços de quem se quer.
*
Blasfêmia

Quero apresentar-lhe, agora:
"minha prima, dona Eufêmia,
pudicíssima senhora!"
Deus me perdoe tal blasfêmia.
*
Ela partiu

Tinha uma filha bonita,
filha bonita demais:
- Lá se foi, toda catita
e não voltou nunca mais.
*
Enganos

Pois se engana quem me julga
ser uma besta "brilhante":
Por enxergar uma pulga
mas não ver um elefante.
*
Formosura da Trova

O tempo todo comprova
e se nota a cada dia
a formosura da trova ,
fina flor da poesia.
*
Espalhai Minha Palavra...

"Espalhai minha palavra!"
foi ordem dada por Deus;
mas outras da mesma lavra,
quem as divulga entre os seus?
*
Vou Morrer

Vou pondo as "barbas de molho",
mas no fim hei de colher;
mas enquanto tento e escolho,
fatalmente vou morrer!
***